Prestadores de serviços turísticos de Irati devem realizar cadastro nacional

O preenchimento de informações no Cadastur é obrigatório para hotéis, pousadas, parques temáticos, guias e…

08 de fevereiro de 2024 às 23h38m

O preenchimento de informações no Cadastur é obrigatório para hotéis, pousadas, parques temáticos, guias e agências de turismo, transportadoras, acampamento turístico e organizadores de eventos/Texto de Karin Franco, com entrevista de Rodrigo Zub e Edinei Cruz

Foto: Divulgação

Os prestadores de serviços turísticos de Irati devem realizar seu cadastro no Cadastur, um cadastro nacional que reúne informações sobre os empreendimentos turísticos do País. Em Irati, um levantamento mostra que dos 160 empreendimentos existentes na cidade, apenas 33 estão cadastrados.

Em entrevista à Najuá, o vice-presidente do Conselho Municipal de Turismo, Diogo Luders Fernandes, destacou que o cadastro traz legitimidade às empresas turísticas. “O Cadastur é um cadastro obrigatório para todos os prestadores de serviços que o Governo Federal fez há um tempo para dar um pouco mais de legitimidade e de formalização, para que esses empresários pudessem se cadastrar. É como se tivesse um selo de qualidade”, explica.

O cadastro é obrigatório para agências de turismo, hospedagens (albergue, condo-hotel, flat, hotel urbano, hotel de selva, hotel fazenda, hotel histórico, pousada, resort e cama & café), guias de turismo, transportadoras turísticas, acampamentos turísticos, organizadores de eventos e parques temáticos.

Outros empreendimentos também podem se cadastrar de forma opcional. É o caso de restaurantes, cafeterias, bares ou similares, centros ou locais destinados a convenções, feiras, exposições ou similares; parques temáticos aquáticos; empreendimentos de equipamentos de entretenimento e lazer; marinas e empreendimentos de apoio ao turismo náutico; empreendimentos de apoio à pesca desportiva; casas de espetáculos, shows e equipamentos de animação turística; prestadores de serviços de infraestrutura de apoio a eventos; locadoras de veículos para turistas; e prestadores especializados em segmentos turísticos, como no caso de artesões.

Uma das principais vantagens do cadastro é a possibilidade de o município receber mais verbas federais para investir no apoio ao turismo. Os dados do cadastro compõem o Mapa Turístico do Brasil, que é usado pelo Governo Federal para distribuir recursos. “Quanto mais empreendimentos de turismo cadastrados que o município tenha, o Governo Federal entende que seriam o município que tem mais prioridade para investimentos. Uma vez que tem muito empreendimento, ali está acontecendo alguma coisa”, conta o vice-presidente do Conselho Municipal de Turismo.

Quer receber notícias pelo WhatsApp?

Vice-presidente do Conselho Municipal de Turismo, o professor Diogo Luders Fernandes, falou sobre os benefícios dos prestadores de serviços turísticos se cadastrem em sistema do governo federal chamado de Cadastur. Foto: João Geraldo Mitz (Magoo)

A quantidade de cadastros também pode ser usada como um critério de escolha do Governo Federal para definir quem receberá a verba de um projeto. “Vamos supor: Irati e Prudentópolis mandam o mesmo projeto para o Ministério do Turismo, pedindo recurso para a área de turismo. ‘Vamos construir um centro de eventos’. ‘Vamos construir uma rota’. ‘Vamos colocar um investimento em tal coisa’. O que eles vão fazer? Os dois projetos são aprovados. Para quem vai liberar? Para Prudentópolis porque tem um número maior de empreendimentos turísticos e ele passa na frente, mesmo que os dois estejam na mesma linha, na mesma faixa, que eles dizem, do Mapa Turístico”, explica Diogo.

Para os empresários, o cadastro possibilita uma série de vantagens. Uma das principais é o acesso à uma linha de crédito com juros especiais. “Só quem está cadastrado no Cadastur pode conseguir, com juro bem especial. Quem tiver interesse de saber um pouquinho mais, é só dar uma ligada na Aciai [Associação Comercial e Empresarial de Irati] e conversar com o pessoal da Fomento Paraná. Eles trabalham com as linhas de crédito que são liberados. O juro é bem importante, é um bem especial. Cada vez, eles atualizam um pouco mais, mas a Simone [dos Anjos-Secretária Executiva] vai saber informar qual que é a taxa que está hoje e qual é a documentação necessária. Mas é um incentivo para que possamos melhorar, possamos fazer novos investimentos”, conta.

Outro beneficio é a divulgação. O Cadastur possibilita que os empreendimentos divulguem os seus serviços por meio do Mapa Turístico do Brasil. “O empreendimento fica cadastrado no site nacional, que é do Cadastur, fica lá no site. Vamos supor que eu sou um turista, eu estou vindo para Irati. Se eu entrar no site do Cadastur, eu vou ter todos os empreendimentos que estão cadastrados no Cadastur. Hotéis, restaurantes. Eu posso planejar minha viagem a partir desse próprio site”, explica o vice-presidente do COMTUR.

Com o cadastro, o empreendedor consegue participar de feiras nacionais e internacionais para divulgar o seu negócio. “Quem está cadastrado no Cadastur tem condições de fazer um pedido junto à Secretaria Estadual e à Secretaria do Ministério para levar o seu empreendimento para participar dessas feiras. Tem essa possibilidade também, assim como tem uma maior visibilidade por estar cadastrado e passa uma maior segurança, maior legitimidade para o próprio turista que busca um empreendimento para poder contratar”, disse.

Os empreendedores ainda tem acesso à cursos de capacitação. “Existe uma série de cursos de capacitação que o Ministério do Turismo libera gratuitamente e pode fazer quem está cadastrado no Cadastur”, conta Diogo.

O cadastro é gratuito e pode ser feito no site cadastur.turismo.gov.br. “É só entrar no site do Cadastur, gera uma senha e a partir dali, ele vai pedir algumas informações como o número do CNPJ, o número de telefone do responsável. É um cadastro bem rápido de se fazer”, disse.

Quem tiver dificuldades com o preenchimento do cadastro pode procurar a Secretaria de Cultura e Turismo de Irati. O vice-presidente do conselho explica que está se buscando construir um projeto para auxiliar os empreendedores com o preenchimento do cadastro. “Nós estamos tentando ver se conseguimos elaborar um projeto junto à prefeitura, junto à Aciai para podermos desenvolver algo, onde alguns dos nossos alunos ou algum grupo que possa atender diretamente essas pessoas, para poder fazer com que esse trabalho seja feito de uma forma mais prática. Teve um ano aqui em Irati, que chegamos a ter 60 empresas cadastradas. Foi um ano onde tinha duas estagiários de Turismo dentro da Secretaria e essas meninas fizeram esse trabalho. Elas foram de empresa em empresa, mas foi pessoalmente. Chagava lá, batiam na porta, com o computador embaixo do braço: ‘Vamos cadastrar junto aqui’. Já fazia o cadastro naquele momento. Foi uma época que percebemos que elevou bastante o número de cadastro e a ideia é que se faça isso novamente”, explica.

O vice-presidente do conselho de Turismo destacou que o cadastro não serve para fiscalização. “O Cadastur não serve para fiscalização do governo. Não tem nada de Receita, não tem nada de imposto. Não tem nada. É só para que tenhamos realmente o levantamento de quantas empresas turísticas existem no país, existem na nossa cidade. É realmente para fazermos esse tipo de levantamento”, destaca.